É somente quanto paramos para fazer listas, ou colocar qualquer coisa no papel, que podemos contatar certos fatos e um fato que eu constatei fazendo essa lista de 5 autoras que você precisa ler é o fato de que eu preciso começar a ler mais autoras, leio muito poucas obras escritas por mulheres e só percebi isso agora, vamos mudar isso Sr Luke!

Como você já deve saber, todos os domingos de Abril significam blogagem coletiva com os lindos do #NomeProvisório e o tema escolhido para esse domingo foi “Autoras que você precisa ler” e como constatei que leio poucas, vou acabar indicando apenas cinco e espero que você goste, se interesse e conheça o trabalho dessas mulheres maravilhosas!

Só posso dizer que comecei a lista muito bem, Ryan Graudin é uma autora espetacular, digo isso considerando a única obra da autora que tive o prazer de ler até o momento.

Estou falando de “A Cidade Murada” onde a autora entrega ao leitor um livro de narrativa ágil, cheio de mistérios, dramas pessoais, romance e cenas de ação de tirar o fôlego, eu ainda não entendi o motivo pelo qual esse livro ainda não foi adaptado para o cinema ou alguma outra mídia. Garanto que é impossível não se sentir dentro de Hak Nam e ainda mais impossível não se sentir sufocado pela cidade que foi construída pela autora de forma que mais parece ser um personagem do que uma simples ambientação.

“A Cidade Murada” é um livro triste no que tange a possível veracidade da trama, principalmente quando essa sensação é reforçada pela imagem da cidade que realmente existiu e por conter personagens que são totalmente palpáveis e plausíveis, tornando a experiência de leitura simplesmente catártica, envolvente, desesperadora, triste e ao mesmo tempo com uma fagulha de esperança e bem, você sabe que com uma fagulha se pode iniciar um belo incêndio! Caso queira saber um pouco mais da obra clique aqui e confira minha crítica.

Eu sei que eu mencionei a autora em outro post, mas eu simplesmente não posso fazer uma lista de indicação de autoras e não colocar a maravilhosa Abigail TarttelinGente, essa mulher, deixa eu respirar e tentar me controlar para continuar o post, espera só um pouco…

Abigail Tarttelin é uma autora inglesa incrível, ela possui dois romances publicados, o Flick (2011) e o Golden Boy (2013), que foi publicado aqui no Brasil pela editora Globo com o título “Menino de Ouro”.

“Menino de Ouro” não tem uma história que pode ser facilmente digerida, pelo contrário, em vários momentos durante a leitura senti um aperto no coração, a garganta se fechando, muita raiva e lágrimas, COMO EU CHOREI LENDO ESSE LIVRO! A obra toca em muitos assuntos delicados e trata de todos eles sem pudor e com extrema profundidade emocional, proporcionando várias reflexões e questionamentos.

A autora mostra com sua obra que a única coisa que você pode fazer com as suas verdades absolutas, é amassá-las e arremessá-las bem longe, pois elas só vão te levar a ter pré conceitos que podem acabar com a auto estima de alguém, abalar uma família ou até mesmo uma sociedade inteira.

O livro é valido na medida que nos entrega informações e abre nossas mentes quebrando tabus, o que é muito importante nos tempos atuais onde vemos tantas coisas absurdas acontecendo por intolerância e falta de empatia. Leiam Abigail! Caso queiram saber mais acerca da obra, confira minha resenha aqui!

Quem vê Marie Lu sorrindo assim, não imagina do que essa mulher é capaz de fazer com os nossos corações!

Eu estava carente de distopias depois de finalizar “Jogos Vorazes”, até tentei iniciar a saga “Divergente”, mas aquilo não funcionou pra mim e finalizei o primeiro livro com muito sacrifício. Foi então que meu amigo Douglas me emprestou “Legend” o primeiro livro da trilogia homônima e eu simplesmente me apaixonei pelo universo criado por Marie Lu e pelos personagens maravilhosos, bem escritos e desenvolvidos, a obra é muito intensa e cheia de questões políticas e a podridão que cerca esse tipo de questão. Foi uma grata surpresa e se você está carente de distopias, aqui está a sua oportunidade de conhecer algo novo e estupidamente bom!

Olha ela, a ganhadora do Pulitzer! Sim, Jennifer Egan é uma autora americana que ganhou um Pulitzer pelo livro “A Visita Cruel do Tempo”, que eu ainda não li, mas pretendo resolver essa pendência logo!

A única coisa que cheguei a ler da autora por enquanto, foi o seu terceiro livro, O Torreão (2012). O Torreão é o livro de uma autora que sabe muito bem o que está fazendo e como atingir o leitor, sua escrita é muito gostosa de ser lida, as reviravoltas da história são interessantes e ela consegue uma das coisas mais difíceis, fugir do óbvio mesmo com tanto material publicado por aí e surpreender o leitor, fazer com que ele interaja com o livro e se questione a todo tempo, fazendo do livro um grande exercício de leitura, interpretação, imaginação e paciência, pois creio que não serão todos os leitores que serão fisgados pelas loucuras de Jennifer Egan. Caso você queira saber um pouco mais sobre essa obra diferentona, clique aqui e confira minha resenha!

Conheci a autora francesa Lolita Pille por intermédio de uma peça de teatro montada pelo incrível Hector Babenco, com atuação catártica de Bárbara Paz e Ricardo Tozzi, peça esta que adaptou o livro Hell Paris.

Hell é um livro cru, sem firulas e com uma personagem principal nada convencional que compartilha com o leitor a sua desintegração e é extremamente interessante acompanhar a degradação da personagem, não só interessante como extremamente revoltante, incômodo e até mesmo nojento. Não vou dar mais detalhes acerca da obra, pois pretendo falar mais dela em um outro momento, porém com certeza é um livro necessário para quem tem curiosidade de entender um pouco a cabeça do ser humano e principalmente a vida de pessoas que são cheias de dinheiro, e vazias de todo o resto.

Espero que tenha gostado das minhas indicações, um abraço e até o próximo café!

Anúncios