ƎVOLVE é o terceiro álbum de estúdio da banda de indie rock Imagine Dragons, desde o excelente, porém controverso “Smoke + Mirrors” (2015), o novo material foi lançado dia 23 de Junho e estava sendo muito aguardado pelos fãs me included!

Mais uma vez a banda entrega um trabalho visual maravilhoso, todas as imagens de divulgação se conversam de alguma forma.

As capas dos singles e a capa do disco se passa em um mesmo cenário que vai se transformando de acordo com a faixa, vou deixar no post as imagens das capas dos singles para que você acompanhe a transformação do cenário acima, sem mais delongas, vamos direto ao que interessa!

I Don’t Know Why

A faixa que abre o disco é uma das faixas produzidas pelo duo Mattman & Robin para o ƎVOLVE, os produtores são famosos por produzir canções para artistas como Selena Gomes (Hands To Myself), DNCE (Cake By The Ocean) e Nick Jonas (Close), então não é muito difícil imaginar que o disco abre com uma música bem pop e bem produzida.

Com sintetizadores, elementos de R&B e guitarra, que estão presentes em diversas faixas do novo trabalho, I Don’t Know Why vai grudar na sua cabeça assim que você escutá-la pela primeira vez. O vocalista Dan Reynolds brinca bastante com sua voz nessa faixa e vai do falsete ao grave como se estivesse realmente brincando.

A música é uma delícia e uma ótima escolha pra abrir o álbum, a banda revelou em recente entrevista que a canção fala sobre relacionamentos perigosos e que o significado dela é bem visual, pois ele se inspirou em casais de filmes dos anos 80 e 90, anos que serviram de influência para o álbum.

Whatever It Takes

Capa do single de divulgação “Whatever It Takes”

Com produção de Joel Little, produtor responsável por pelo menos seis faixas do disco de estreia de Lorde, Whatever It Takes é uma canção com versos super rápidos, o que um território novo para a banda e um refrão explosivo, porém mais lento, que é bem a cara do som que a banda costuma fazer, logo temos aqui um choque entre a nova proposta e a clássica Imagine Dragons.

A canção foi escolhida como terceiro single promocional do disco e é a única dessas que até o momento não possui um videoclipe, a letra fala sobre dar o seu melhor em tudo o que você faz, independente do quão os obstáculos parecem ser insuperáveis, pois só assim você conseguirá alcançar seus objetivos e esse tema é bem recorrente não só nesse novo trabalho.

Confira o áudio da música e observe que a capa do single se passa no mesmo cenário que a capa do disco com algumas modificações, assim como acontece com as capas dos singles Thunder e Believer.

Believer

Capa do lead-single “BELIEVER”

Believer foi o lead-single de ƎVOLVE, ou seja, primeiro single de trabalho do novo material da banda e eles não poderiam ter começado melhor! A faixa é uma canção poderosa que fala sobre passar por momentos difíceis e de dor, se levantar e usar isso para fortalecer sua fé e se fortalecer para o próximo desafio da vida, como eu disse, superação e crescimento é a mensagem do ƎVOLVE.

Eu amo esse tipo de música que me faz acordar de manhã com vontade de enfrentar as coisas sem medo, “Believer” dá essa empolgação, transpira auto-confiança e inspira mudanças, além de ser extremamente viciante, sério, escuto todos os dias desde quando foi lançada.

Observem que o clipe maravilhoso de Believer se passa no cenário da capa do disco e na capa dos singles.

Walking The Wire

Também produzida pelo duo Mattman & Robin, porém dessa vez em conjunto com a banda, a canção possui a assinatura sonora característica da banda.

A canção fala dessa vez especificamente sobre as dificuldades, desafios e lutas que são travadas em um relacionamento, usando para isso a metáfora de andar em uma corda bamba presa nas alturas, mas afirmando a todo instante que estão dispostos a enfrentar o que vier e que ao invés de olhar para baixo, eles vão olhar e mirar o topo e continuar caminhando juntos, afinal, ninguém evolui desistindo ou sem lutar.

A canção foi escolhida como quarto single promocional do disco e liberada para quem comprasse o disco na pré-venda.

Rise Up

Rise Up é uma música com vocais poderosos e rasgados produzida por Joe Hill e escrita quase que completamente pelos integrantes da banda, o que mostra a sincronia deles com o sentimento ao qual a música descreve.

A canção fala sobre erguer-se, melhorar a si mesmo e ter a consciência de que para crescer, todo mundo enfrentará desafios e cometerá erros no caminho, mas que é sempre importante tirar um tempo para si mesmo e aprender a se reerguer sempre, ou seja, temos aqui mais um elemento da essência dessa tal evolução que permeia todo o trabalho.

I’ll Make It Up To You

Repleta de sintetizadores oitentistas, I’ll Make It Up To You é uma canção de amor que dá vontade de dançar ao lado da pessoa amada e essa foi a intenção e a inspiração para a criação da música, Dan se inspirou bastante nos anos oitenta e aqui especificamente em cenas de casais dançando.

A canção é uma promessa de que tudo ficará bem e que ele irá consertar as coisas na relação, pois ele reconhece que foi um ano difícil e que ele não está sendo tudo aquilo que a sua amada merece, então ele promete fazer o que ela passou ter valido a pena e ele fará valer a pena todos os dias e todas as noites.

Yesterday

Yesterday é uma música produzida por Alex Da Kid e Jayson DeZuzio e uma das primeiras músicas escritas para o disco.

Repleta de elementos sonoros diferentes, a canção me remete visualmente a filmes de faroeste, na realidade aos Saloon’s dos filmes de faroeste. Eu viajo na música e imagino os integrantes da banda bebendo, aprontando todas no Saloon enquanto Dan toca piano e entoa o significado da canção, que basicamente fala sobre abraçar os erros do passado e todos os erros que cometemos nas nossas vidas e deixá-los ir sem arrependimentos, pois foram esses erros e as lições que tiramos deles que fazem de nós quem somos hoje.

Mouth Of The River

Produzida por Tim Randolph e com vários elementos do disco de estreia da banda, a canção também é uma parte da essência da evolução prometida pelo conceito do disco.

A música fala sobre o fim de uma fase e começo de uma nova jornada e para exemplificar isso, usa como metáfora o encontro do rio com o mar, onde o pequeno rio acaba e deságua em algo maior, com desafios maiores, mas com recompensas maiores também.

Thunder

Capa do segundo single “THUNDER”

“Thunder” foi escolhida como segundo single de trabalho do disco, a canção fala sobre superação e também sobre rir na cara das inimigas, sério, eu não estou brincando!

De acordo com as próprias palavras de Dan:

Eu estou tão feliz por uma péssima escola do ensino médio e pela faculdade ter me expulsado. Estou tão feliz por isso, porque isso me levou a esse lugar. Essas coisas criaram uma angústia dentro de mim que se transformou em arte.

Start Over

Assim como Walking on Wire e I’ll Make It Up To You, Start Over, que também é produzida pelo duo Mattman & Robin, é uma música que fala sobre relacionamento.

Aqui Dan clama por uma oportunidade de começar de novo, de deixar os erros para trás e dar uma nova chance para a relação antes que ela acabe, mas não é somente sobre um relacionamento amoroso que a canção fala. Estamos perto do final do disco e perto do final dessa relação e também perto do fim do conceito de evolução do disco e esse posicionamento de faixa aqui significa muito se levarmos em conta que em muitos aspectos da nossa vida há aquele momento em que precisamos respirar fundo, deixar os erros e as mágoas para trás e recomeçar do zero, pois isso também faz parte da evolução do ser humano.

Dancing In The Dark

A canção que encerra o disco, pelo menos a versão standard dele, é produzida por Alex Da Kid e é a canção mais diferente do disco e da sonoridade usual banda.

O ritmo lento com uma pegada R&B é sexy, mas não sexy de uma forma sexual, é um Dark-sexy, eu diria. A canção que sem dúvida alguma é uma das minhas preferidas do disco, o que é bem estranho, uma vez que os fãs estão odiando a faixa, fala sobre se aceitar, aceitar todos os seus defeitos e problemas e te propõe a convidar quem te aceita do jeito que você é a dançar com você no escuro, afinal é no escuro todos somos iguais em essência e nossas diferenças não importam.

 

OBS: Coloque um par de meias confortáveis, coloque os fones nos ouvidos, apague a luz do quarto, dê play nessa canção e dance enquanto escuta, sério, faça isso!

“ƎVOLVE” é um disco que mescla a sonoridade do debute da banda com algo novo e bom, a banda sempre foi muito rica em sonoridade e isso não muda aqui, a grande diferença desse novo trabalho para o anterior por exemplo, é que a banda fez aqui algo mais coerente e sem sobras, Smoke + Mirror foi um disco maravilhoso sim, repleto de singles que ainda são parte das minhas playlists, mas foi um disco com ideias e elementos demais, aqui a banda talvez tenha chegado a conclusão de que menos, na maioria das vezes, é mais!

Quantos cafés “ƎVOLVE” merece?

 

 

 

 

Anúncios