“Mestre das Chamas” (The Fireman) é o quinto livro do autor americano Joe Hill, a obra foi publicada por aqui esse ano pela editora Arqueiro, quanto a tradução do título original, só posso dizer que “O Bombeiro” faria muito mais sentido, porém “Mestre das Chamas” possui apelo e impacto bem maior.

Você sabia que é possível que de uma hora para a outra você comece a pegar fogo? Pelo menos é isso que algumas pessoas juram, os inúmeros relatos de combustão espontânea chegaram até mesmo ao ponto de chamar a atenção de cientistas que tentam explicar o fenômeno. Essa informação não é lá uma grande novidade e você pode se deliciar com uma simples busca na internet.

Inspirado nesse fato bizarro e em outros fenômenos encontrados na natureza, Joe Hill criou então uma doença para este livro, a doença trata-se de um esporo chamado Draco incendia tryvhophyton, mais conhecido por Escama de Dragão. Uma vez contraída a doença, o infectado pode ter uma certeza bem triste, uma hora ou outra será vítima do esporo e arderá em chamas, produzindo cinzas que propagam ainda mais a doença, ou seja, cada vítima fatal da doença produz mais infectados na medida que essas pessoas entram em contato com suas cinzas.

Então Glenn Beck morreu queimado no seu programa na internet, bem em frente ao quadro-negro; ardeu tão forte que seus óculos derreteram e grudaram no rosto, e depois disso a maior parte das notícias passou a ser menos sobre quem era o responsável, e mais sobre como não se contaminar.

O nosso mundo está em chamas e nós somos o combustível que queima tudo, a Escama de Dragão se propaga cada vez mais rápido e ninguém aparece com uma vacina ou alguma cura para a doença.

Harper é uma enfermeira que se voluntariou para cuidar de um hospital, que agora é um centro de infectados, ela trabalha o dia todo vestida com trajes de borracha para evitar contato com as cinzas dos pacientes que acabam pegando fogo. Certo dia, John, o bombeiro, chega até o hospital com um garoto ardendo em febre e se queixando de dores na barriga e apesar dos protestos da chefe do hospital, que tornou-se uma megera devido ao estresse da situação, Harper atende e salva a vida do garoto.

Além de trabalhar como voluntária no hospital, Harper é casada com Jakob, um homem que divide o seu tempo entre o livro que está escrevendo e seu trabalho, onde dirige um limpador de neve para limpar as estradas que agora estão sendo obstruídas por árvores em chamas, escombros e corpos.

Quando a doença começou a se alastrar, o casal fez uma promessa, na verdade Harper foi meio que impelida a fazer essa promessa, pois seu marido se aproveitou de sua devoção e amor incondicional para tal, então, o casal se promete que caso sejam acometidos pela doença, vão passar uma noite romântica juntos, beber um bom vinho e ingerir remédios para dormirem em paz para sempre.

Porém, os planos de Jakob são frustrados quando Harper engravida, contrai a doença e se recusa a seguir com o plano de suicídio, pois ela, como enfermeira, já presenciou casos onde a criança de uma portadora de Escama de Dragão, nasceu saudável. Agarrada à esperança de ter seu filho e entregá-lo à alguém saudável que possa cuidá-lo, Harper vê a verdadeira face de seu marido e descobre que “O arado da Desolação”, livro no qual seu marido estava trabalhando, é um título perfeito para o que ela viria a viver com Jakob.

A “Draco incendia tryvhophyton” possui esse aspecto de tatuagem, ela pode surgir em formatos tribais, como usei na foto, em forma de arabescos ou outros formatos, sempre visualmente bonitos, negros e pontilhados por cores de fogo.

John Rockwood é o bombeiro, um homem que perdeu a esposa em um evento terrível, e também é portador da Escama de Dragão. Porém, diferente dos outros infectados, John exerce certo controle sobre as chamas e consegue fazer com que elas cumpram seus desejos e tudo isso sem se queimar. Ele usa a sua habilidade para ajudar infectados e levá-los para a Colônia Wyndham, onde Pai Storey conduz infectados ao Brilho, fazendo com que assim, eles convivam com a doença e não tenham o final que as pessoas infectadas costumam ter.

Nesse mundo pré-apocalíptico, ainda preciso citar duas coisas, as Patrulhas de Quarentena, que buscam capturar e levar infectados até áreas isoladas onde não prejudicarão outras pessoas caso entrem em combustão e o Bonde da Cremação, milícia que tem como esporte assassinar portadores da doença.

Em meio ao pandemônio, o autor desenvolve personagens densos, bem construídos e absurdamente críveis, fato que torna a história ainda mais tensa e aterrorizante. Quando você acha que as coisas estão começando a ficar seguras para os personagens, alguma merda acontece e coloca a fé e a vida deles à prova novamente, os personagens vão se transformando conforme as coisas acontecem, alguns em seres melhores, outros em coisas sem humanidade alguma.

 

A morte e a ruína são o ecossistema preferido do homem. Já leu sobre a bactéria que prospera dentro dos vulcões, bem à margem da rocha fervente? Somos nós. A humanidade é um germe que prospera bem na fronteira da catástrofe.

 

“Mestre das Chamas” é mais uma prova de que Joe Hill não é só um autor com fama por ser filho de Stephen King, o autor prova mais uma vez aqui que consegue ser tão bom quanto o seu pai em criar mundos, desenvolver personagens, fazer com que o leitor se importe com eles, criar ambientação e clima e fazer com que o leitor percorra as páginas sem nem se dar conta de que a última página chegou.

O livro nos mostra o quando o ser humano pode ser transformado em situações extremas, sejam essas transformações boas ou ruins, também coloca em questão a ética em momentos de crise, o que seria ético aqui? Seria crime assaltar uma casa em busca de mantimentos quando sua própria casa foi derrubada por uma milícia que caça pessoas infectadas? Outro tem que é evidente aqui é o preconceito, o fato de caçar aquilo que não se entende, aquilo que não é “normal”, que foge a regra e te dá medo justamente pelo fato de ser algo desconhecido, pois sabemos que se tem algo que o ser humano preza é ter controle sobre coisas e situações.

Sem dúvida alguma, “Mestre das Chamas” é um livro obrigatório para quem gosta de histórias apocaliptísticas e se interessam pelo comportamento humano. Se você tem medo de histórias de terror, não precisa descartar essa obra por isso, o terror aqui é diferente, é algo mais psicológico e você vai conseguir dormir a noite, a não ser que seus braços sejam tomados pela Draco incendia tryvhophyton no meio da leitura.

Quantos cafés com cinzas de Draco incendia tryvhophyton “Mestre das Chamas” merece?

Anúncios