SETEMBRO POLICIAL: AS BOAS DAMAS – CLARA MADRIGANO

“As boas damas” é uma novela escrita pela autora, editora, tradutora e revisora Clara Madrigano. A autora já teve contos lançados pela Editora Draco e pela Revista Trasgo, também já participou da coletânea de ficção científica feminista “Universo Desconstruído” e recentemente publicou o conto “Dodge”, que já resenhei por aqui.

Na trama, Annabel Watson, filha do famoso doutor, escritor e parceiro de investigações de Sherlock Holmes, vive sob a tutoria de Holmes, que está prestes a se aposentar, porém, antes de conseguir descanso, ele acaba sendo surpreendido por uma nova e misteriosa cliente.

Lady Amelia Caplin é a tal cliente misteriosa, ela procura Holmes para entregar-lhe o caso sobre o assassinato de seu filho, porém, ela não quer que ele descobra exatamente quem o matou, essa informação já é conhecida. Diversos jornais já noticiaram que a responsabilidade pela morte do garoto é da própria Lady Amelia e ela não nega. O motivo pelo qual ela procurou Holmes é bem simples, ela quer que ele prove que ela matou e como matou, não seu filho, mas aquele que fingia o ser.

Um poço dos desejos. Uma criança indesejada. Uma mãe que deseja livrar-se dela. Um poço dos desejos.

Inicialmente, Holmes mostra-se um tanto quanto relutante em aceitar o caso, porém, uma tentativa de suicídio faz com que o detetive mude de ideia. Assim, Holmes e Annabel Watson partem para o castelo dos Caplin objetivando interrogar familiares e locais afim de solucionar um caso que parece um tanto quanto absurdo e despropositado.

Holmes não é o personagem central aqui, envelhecido e ranzinza, o detetive que anteriormente brilhou, começa a passar seu posto para a assistente, embora siga tendo uma visão machista e super protetora. Annabel se mostra não só interessada, como também conectada ao caso de uma forma que sequer ela sabe explicar, é essa conexão que faz com que ela acabe tomando a frente e conduzindo as investigações, fazendo buscas, questionando crianças e pessoas que poderiam ter tido contato com a vítima.

Quando descobre que o tal mistério diz muito sobre algo que aconteceu com ela mesma, Annabel não vê escolhas senão prosseguir, utilizando todo o conhecimento adquirido pelos anos com os quais conviveu com o maior detetive de todos os tempos, pra solucionar o mistério da cliente enquanto busca respostas sobre seu passado. Como se não bastasse, todos esses fatos estão envoltos em uma camada sobrenatural.

— Lady Amelia aparecia por aqui? — perguntei. — Umas poucas vezes — disse Lom. — Ela visitava o poço.
— Por quê? — Eu quis saber, franzindo o cenho. Pareceu-me coincidência demais. — Para jogar moedas — respondeu Lom. — Acho que desejando que o menino morresse.

Eu amo a escrita da Clara e a forma com a qual ela constrói o clima de suspense e mistério em suas obras, a escolha de mesclar uma história de investigação com elementos sobrenaturais me agradam muito. As criaturas que a autora escolheu para representar a ameaça sobrenatural do livro são muito interessantes e uma nova forma de representar esses seres sempre tidos como tão fofos, amáveis, mágicos e frágeis.

Eu não sei ao certo se a escolha de criaturas que são consideradas frágeis, mas que se mostram bem diferentes do senso comum, foi uma analogia ou não ao o fato das mulheres também serem consideradas, de forma extremamente equivocada e machista, mais frágeis, mas eu gostei bastante dessa metáfora. Creio estar certo, devido à forma com a qual o próprio Holmes trata Annabel em alguns momentos, censurando o fato dela ler romances por exemplo. Certo ou não, já passou da hora da sociedade parar de subestimar e inferiorizar o sexo feminino.

Ao final da novela há uma nota da autora explicando os motivos pelos quais ela decidiu escrever “As Boas Damas” e o motivo é bem simples: Uma mulher num mundo masculino: aí estava algo que valia a pena escrever.

“As Boas Damas” é uma novela muito bem escrita que revisita um personagem icônico das histórias policiais para falar sobre o poder feminino e o quando as mulheres sempre foram subestimadas em tramas policiais, investigativas, de mistério e suspense, um fato que precisa mudar e, que será transformado, por autoras incríveis como a Clara e muitas outras que vem fazendo um trabalho incrível na nossa literatura.

Gostou das minhas impressões? Você pode adquirir “A Boa Dama” em formato digital por um preço bem acessível, ou gratuitamente caso seja assinante do Kindle Unlimited.

Quantos cafés “As Boas Damas” merece?

2 comentários sobre “SETEMBRO POLICIAL: AS BOAS DAMAS – CLARA MADRIGANO

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.